Sexta-feira, 10 de Setembro de 2004

Dor

rosabranca1.JPG


A dor contida
já não suporta
O silêncio...

Quer dar espaço à vida.
Pede passagem
quer liberdade.

A dor explode
em versos de rimas incertas
onde meu pranto
encontra acalanto.


Andréa Motta
(maio/03)

publicado por Andrea Motta às 02:01
link do post | comentar | favorito
29 comentários:
De Graas a 11 de Setembro de 2004 às 03:34
Olá! Passando por aqui e dizendo que tudo por aqui continua muito lindo.
De Andra a 10 de Setembro de 2004 às 21:06
Para Paola: Obrigada minha querida. Beijos com carinho.
De Paola Caumo a 10 de Setembro de 2004 às 17:47
Belo poetar amiga, principalmente porque encontrou a paz para a dor sentida. Beijocas, Paola
De Andra a 10 de Setembro de 2004 às 15:52
Para Ricardo Mainieri: Meu querido..como faz uma coisas destas.. deixa um beijo analgésico depois de uma poesia tão linda!..só consigo rir aqui..imaginando o efeito... ( ai desculpa!!).Beijinhos doces.
De Andra a 10 de Setembro de 2004 às 15:51
Para Monalisa:Obrigada meu anjo :) Aquela dor..já se foi..outras virão.. a vida é assim mesmo, cheia de altos e baixos.. :))) Beijão.
De Andra a 10 de Setembro de 2004 às 15:50
Para Miriam: Obrigada pelas tuas palavras querida.. Espero que você encontre o seu caminho..e que o silêncio se transforme em lindas palavras. Beijo com carinho.
De Andra a 10 de Setembro de 2004 às 15:48
Para Maria: Aprende-se com a dor.. a sorrir ;) Bom final de semana querida. Beijos.
De Ricardo Mainieri a 10 de Setembro de 2004 às 15:17
Oi, Deia :

Teu poema puxou da memória um poema meu sobre o tema.
Que diz que a dor/rebenta rebelde/conduz seus impulsos/com fúria...
Acho que vou postar no Versejar, se achá-lo completo.
É, cada um de nós tem uma versão sobre este sentimento universal.
Infelizmente, poucas soluções...

Beijão analgésico(rs)

Ricardo Mainieri
De Mriam a 10 de Setembro de 2004 às 15:02
a tua dor se tranforma em maravilhosa poesia...e o meu tempo, agora, é de silêncio. De elaborar perdas,
de tentar reconstruir algo a partir do pouco que sobrou.
Quem sabe, disso nasça alguma palavra nova.Quem sabe, eu me reinvento.
beijo de imenso carinho...
De Monalisa a 10 de Setembro de 2004 às 13:44
A tua dor encontra uma forma sublime de se expressar. Espero que seja só dor de poeta...
" O poeta é um fingidor
Finge tão completamente
que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente "
( Fernando Pessoa )
Beijinho, Andrea.

Comentar post

.mais sobre mim

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Natal 2010

. Trova!

. Signa

. Violações

. Nudez

. 2009!

. Poema de Natal

. 25 de novembro dia intern...

. Incorporiedade

. Ação de Incentivo à Leitu...

.arquivos

. Dezembro 2010

. Agosto 2010

. Novembro 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds