Quinta-feira, 6 de Maio de 2004

Um sentir em 3 visões

paineira3.jpg


Ganância


Chora a magistral paineira,
           suas folhas digitadas
em desespero agitam-se nos galhos,
as flores róseas espalham-se pelo céu,
           em gritos de dor.


Homens em manobras desenfreadas,
            em prol do progresso
cravaram-lhe no tronco
            o maldito machado.


Num último suspiro,a paina,
 como floco de algodão
                                  flutua
e chega ao solo tingida de vermelho,
            despida de leveza.


Crianças dantes admiradas com a suavidade do vôo,
             no momento do pendor
espelhavam na face pavor.


Atônitas indagavam ao pé do vento,
porquê os homens
                       mataram
a frondosa paineira?


Confusas interrogavam-se
                         porquê...
tolheram a vida
destruíram os ninhos
            onde pássaros outrora
brindaram
            aqueles mesmos homens
com seus doces cantos?


Não podem compreender,
tampouco, eu o posso...
Até onde a ganância....
           leva os homens.

Andréa Motta
11/08/03


 




A Morte da Paineira
 
Enquanto chora a paineira
Periquitos assistem sem gritos
Tombar ao chão tão faceira
A paineira em lamentos aflitos;


Periquitos assistem sem gritos
Em golpes batendo ao tronco
A paineira em lamentos aflitos
Nas pancadas de machados broncos;


Em golpes batendo ao tronco
Arremessam as folhas e os flocos
Nas pancadas de machados broncos
Desprendendo caindo em blocos;


Arremessam as folhas e os flocos
Ao chão vão se misturando
Desprendendo caindo em blocos
Enquanto as aves esvoaçando;


Ao chão vão se misturando
Como se estivessem fugindo
Enquanto as aves esvoaçando
Não mais se iludindo;


Como se estivessem fugindo
Finda manhã, alva que apavora
Não mais se iludindo
Enquanto chora a paineira.


Marcelo


requiem arborescente



A noite calma segue contrária ao dia conturbado
Estava escrito, a floresta seria consumida
As labaredas haveriam de arrancar a seiva dos anos
O vento cumpriria o carrasco dos cascos antigos


A floresta ardeu com gritos de fumo espesso
Cantou o seu próprio requiem no crepitar da madeira
Morreu lá, longe, a norte de nada
Expirou sem expressão que mostrasse ressentimento
Ou sequer a vontade de existir


E os lancinantes sons desta orgia luminosa
Invadiram o mundo
Pintaram o céu de um azul fosco e tornaram o sol macilento
Quem foram os assassinos?


O sonho teria que acabar, o profeta assim o disse
Recortes de verde solarengos sobre bases castanhas
Anos e anos a almejar ver mais além
Para lá, por sobre a torta linha do horizonte
Braços auto decepados, abandonados, gangrenados
Raízes demasiado profundas numa terra que prendia
A liberdade, o desejo de voar


O fogo carboniza a paixão e traz a treva


A árvore
A árvore nasceu, despontou, cresceu, ganhou e perdeu
Ramos folhas beijos do vento estações
Ebriedades de chuva e o calor terno da terra
Vergou amadureceu e conheceu todas as crianças dos homens
Nomeou os montes e o bichos
Contemplou a paz do que não se vê com olhos
Amou o amor e fecundou trezentas outras árvores sem o saber
Tossiu na poluição do progresso
E viu o ciclo do tempo a rodar inquieto à sua volta


A árvore
A árvore viu um bípede com uma pasta debaixo do braço
Regar de petróleo dourado a sua perna
E acender um isqueiro
E ter prazer
Quando o fogo invocado a violou


A árvore
A árvore não verteu uma lágrima
Apenas teve um arrepio, um estremunhar de folhas drogadas
Despediu-se do seu amante inocente e assassino
Era dia e cantou o céu de cinzentos esfumeados


O tempo continuou os seus círculos infernais
O dia moldou-se em contexto reflexivo
Espelharam-se tristezas sem causa nas caras das pessoas
A natureza quedou-se inexpressiva e fez lentamente vir a noite
Calma
Sem vento


Sentado constato a terra podre que nos agarra
Louco cuspo a vergonha da raça na minha cara
Mas da boca só sai a seiva da árvore
A seiva da árvore
A seiva da árvore
O sémen da árvore
A ilusão humana


Nos olhos fechados pela floresta da treva
Ecoa angustiante e sagrado
Da árvore o canto apaixonado


Sofre-se e pressente-se que se sofreria mais se não se sofresse


Pedro Moura


publicado por Andrea Motta às 13:28
link do post | comentar | favorito
|
18 comentários:
De Andra a 7 de Maio de 2004 às 04:12
Para Abstracto: Hum..já sentia sua ausência..Obrigada :)
De TCA a 7 de Maio de 2004 às 03:29
hei-lá... grande surpresa. parabens a todos
De Andra a 7 de Maio de 2004 às 02:49
Para Ricardo: Sorrio largamente. beijo pra ti :))
De Andra a 7 de Maio de 2004 às 02:47
Para Júlio: Muito obrigada pelo carinho diário, fico muito feliz com tua presença.
De Andra a 7 de Maio de 2004 às 02:46
Para Dália: Tenho certeza que tens. Obrigada pela visita. Beijinhos
De ricardo a 7 de Maio de 2004 às 01:39
:) gostei da party, gostei do som dos 3 dj´s, remix fantástico
De Jlio a 7 de Maio de 2004 às 00:58
Definitivamente, fiquei cliente deste teu espaço! Júlio
De Dalia a 6 de Maio de 2004 às 23:45
chi mulher... tanta coisa .... tanta inspiração.... bem que me fazia falta um bocadinho. beijinhos da dalia
De Andra a 6 de Maio de 2004 às 23:09
Para Jorge: Meu querido amigo, não se sinta desta forma, pois todos nós de uma forma ou de outra vivemos neste mundo de ganância, e comsumismo.. Beijo
De jorgebond a 6 de Maio de 2004 às 19:52
Me senti mal, eu que talho a madeira de arvores mortas, tiradas á vida, sua vida e da fauna que delas depende, eu que cravo ferros, esculpindo, moldando. Também eu sou cumplíce dessa morte! Me perdoem!

Comentar post

.mais sobre mim

.RAGNARÖK

Clique na imagem

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Natal 2010

. Trova!

. Signa

. Violações

. Nudez

. 2009!

. Poema de Natal

. 25 de novembro dia intern...

. Incorporiedade

. Ação de Incentivo à Leitu...

.arquivos

. Dezembro 2010

. Agosto 2010

. Novembro 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

.Minha Canção


Tua Canção
Música e Voz – Lara Santos
Letra Andréa Motta

on-line
blogs SAPO

.subscrever feeds